DESTAQUE VALE

O agronegócio e os seus riscos incontroláveis

Não é de hoje que o agronegócio se destaca de maneira significativa no Brasil e no mundo. Para termos uma ideia, as exportações no primeiro semestre de 2023 alcançaram um valor de U$$ 79,24 bilhões, aumento de 4,5% se comparado ao mesmo período do ano passado. A soja ainda lidera os embarques. Já o PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio brasileiro totalizou no primeiro semestre o acumulado de 0,5%, segundo informações do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da USP/Esalq, em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Levando em consideração o resultado parcial, os especialistas acreditam que o PIB do setor pode alcançar R$ 2,63 trilhões em 2023.

Mas apesar da grande representatividade o agronegócio convive, muitas vezes, com riscos incontroláveis. As condições climáticas, por exemplo, costumam trazer prejuízos consideráveis para os produtores. O excesso ou falta de chuva, o calor excessivo ou baixas temperaturas, são apenas alguns problemas inevitáveis do setor, que muitas vezes trazem muita dor de cabeça para produtores, financiadores e até mesmo para os consumidores, que acabam sofrendo com o aumento de preço.

Encontrando caminhos para amenizar os riscos do setor

Os produtores rurais, estão buscando cada vez mais a contratação do seguro rural, que garante o pagamento de um determinado valor caso a safra sofra alguma perda. Segundo especialistas, nos últimos 5 anos, as seguradoras já pagaram aos produtores cerca de R$ 20 bilhões em indenizações, isso mostra a importância do seguro.  Porém, o instrumento de gestão de riscos, mesmo com os incentivos públicos, nem sempre está acessível, devido ao seu valor, a todos os produtores rurais e a adesão acaba não sendo a ideal, diferentemente do que acontece em outros países como os Estados Unidos que costumam ter, em média, mais de 90% da produção coberta pelo seguro.

Já para os distribuidores de insumos, que acaba sendo um importante financiador do setor, uma das opções para evitar riscos e perdas é a antecipação de títulos do agro, como CPRs e duplicatas, onde os documentos são analisados de forma criteriosa e depois são “vendidos” para o mercado de capitais, que realiza a “compra” e paga à vista para o distribuidor, que além de sair do risco, consegue ter dinheiro em caixa para fazer compras à vista e adquirir descontos. A TerraMagna, por exemplo, deve conceder cerca de R$ 1,5 bilhão até o final de 2023, aumento de 25% se comparado com o ano passado, o que mostra uma maior adesão ao serviço por parte dos distribuidores e revendas de insumos.

Muitos riscos são inevitáveis e imprevisíveis, mas estar preparado para enfrentá-los, e até mesmo se livrar deles, é o caminho para o setor não perder dinheiro e continuar em crescimento, sendo referência não só no Brasil como no mundo.

 Fernanda AleixoAssessoria de Imprensa

About Author

About author

Articles

Destaque do Ano 2023 um Sucesso! 2024 com Destaque Verão, TOP100 Empresas, TOP20 Empresas e Destaque do Ano!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *